Só faltam 23 dias!

Google Imagens

Mais uma segunda-feira! Mais uma semana! Menos de um mês! 2021 vem aí! Sim, e daí? Sua vida vai mudar? O isolamento vai acabar? O vírus vai ter cura? E os empregos, vão voltar? Vamos viajar outra vez? Sair à noite, encontrar os amigos, festejar qualquer coisa, ir à Igreja rezar? Deixaremos de achar “normal” 6.605.245 casos de Covid-19? E as 177.006 mortes confirmadas?

Quando percebo que a gestão da pandemia, pelo menos aqui no Brasil, não passa de uma piada de péssimo gosto, comandada por gente sem a menor condição de conduzir sequer um pelotão, dando valor a “pseudo lendas” ao invés de se ater aos fatos reais, atiçando a cobiça dos corruptos eternamente de plantão, vendendo gato por lebre de olho em uma reeleição, fico com dúvidas se realmente 2021 será um “feliz ano novo”, cheio de esperanças, paz e saúde ou se os dias sombrios e mortais se repetirão.

Sei não… Parece que 2020 não tem data para terminar.

Casa de Marimbondos

Foto: Carlos Emerson Jr.

“Marimbondo furibundo
Vai mordendo meio mundo
Cuidado com o marimbondo
Que esse bicho morde fundo!”
(Vinícius de Moraes, 1970)

 

– Não brinca aí, menino, não está vendo a casa de marimbondos? Pois é, não vi mesmo; quando a gente é criança não presta atenção nessas coisas, não sabe que pode ser perigoso, acredita que tudo é implicância de gente grande. Dei sorte na vida (ou tive juízo) e consegui manter sempre uma distância cautelosa desses insetos. Afinal, como já diziam os antigos, o seguro morreu de velho…

Ferroada de marimbondo dói pra burro. Lembro de uma de minhas idas à parasidíaca Ilha Grande, no litoral sul do Estado do Rio, para acompanhar uma vistoria da Marinha do Brasil a um enorme terreno de propriedade da empresa onde trabalhava na época, ainda tomado pela Mata Atlântica. Lá pelas tantos, floresta adentro, o mateiro passou, o pessoal da Marinha foi atrás e eu dei de cara com um bando de marimbondos. O resultado final desse encontro foi o mateiro tirando o ferrão da minha mão com um facão, aplicando a seiva de uma planta nativa na ferida, garantindo que daria para guiar de volta ao Rio antes que a mão virasse um balão.

Deu para voltar para casa e sim, a mão inchou muito!

Que ninguém nos ouça, mas pessoalmente tenho muito mais medo de mosquitos do que de abelhas, vespas e cia., predadores naturais dos transmissores da dengue e outras pestes. E já que estamos falando em pestes, o famigerado Covid-19 também é de aterrorizar qualquer pessoa que tenha um mínimo de sanidade mental, o que não é o caso das hordas de idiotas que vagam alegre e irresponsavelmente por aí, em pétrea aglomeração e inabalável convicção de que podem superar a doença.

Cuidado com os marimbondos, pessoal!