O melhor tinto da casa

Foto: Carlos Emerson Jr.

Chovia torrencialmente. Sentado no antigo restaurante alemão, de frente para a porta, observava a rua sendo lenta e consistentemente tomada pela água que descia do morro próximo. Agora nenhum pedestre se atrevia sequer a caminhar embaixo da marquise. Os automóveis começavam a rarear. Aquela tempestade prometia.

Reparou, desolado, que a garrafa do vinho tinto estava quase vazia. Virou para trás procurando o pessoal da casa e notou que estava só. Como sempre, nem sequer notara que as horas passaram e o domingo terminava. Daqui a pouco o alemão traria a conta, eles fechariam as portas do estabelecimento e iriam embora.

Uma sequência de trovões interrompeu seu pensamento e levou a luz de todo o quarteirão. O proprietário veio espiar e os dois ficaram olhando a chuva cair e os brilhos dos relâmpagos iluminarem o interior do restaurante, provocando um efeito estranho de alguma coisa muito antiga.

Considerou que pedir a conta, no escuro, seria uma asneira. Sair para caminhar até sua casa, outra maior ainda. Lembrou da grande chuva de 2011 e da enxurrada que levou ruas, casas, carros, pessoas e animais, destruindo quase toda a cidade. Não morrera simplesmente porque não era sua hora.

Suspirou profundamente, chamou o alemão e pediu para trocar as taças, de preferência as de cristal da Riedel, abrir o melhor tinto da casa e vir lhe fazer companhia. Ainda tinham algum tempo antes da chegada do fim do mundo.

3 comentários em “O melhor tinto da casa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s