A rádio russa

Enquanto se servia do café requentado do jantar, aproveitou para ajustar o nível do som do velho rádio de ondas curtas. O dial digital acendeu e logo se ouviu o som de uma campainha ritmada, acompanhada do inevitável chiado característico dessas transmissões. Pois é, como obsessivamente fazia nos últimos dez anos, só sintonizava a enigmática UVB-76, lá da Rússia.

Sempre que precisava escrever um artigo, crônica, texto, seja lá o que fosse, aquele sinal monótono era sua trilha sonora enquanto digitava. Depois de um certo tempo o cérebro se abstraia do som e as palavras vinham rapidamente, como se quisessem fugir daquela chateação. Achou graça do pensamento.

Abriu o notebook e pela milésima vez conferiu na Wikipédia: “UVB-76 (também UZB-76, S28 ou MDZhB) é uma estação de rádio de ondas curtas, que transmite um sinal contínuo na frequência 4.625 kHz, descoberta em 1982. Algumas vezes o sinal de alarme é interrompido por uma transmissão de voz em russo. O objetivo desta estação ainda é desconhecido.”

O ser humano adora teorias da conspiração e ele não era diferente. Ficou imaginando se a estação não seria uma espécie de “arma do soldado morto” ou do “juízo final”: caso saísse do ar durante um ataque nuclear de proporções bíblicas, automaticamente dispararia todos os mísseis do arsenal russo, acabando com o mundo.

Sentiu um arrepio só de imaginar, mas o tema do artigo era outro e estava perdendo tempo divagando. Enquanto considerava se deveria apagar tudo aquilo já tinha escrito, notou que o chiado da estação aumentara e o zumbido desaparecera. Levantou-se para checar se o receptor havia perdido a sintonia quando, aterrorizado, ouviu uma voz masculina repetir a frase duas vezes:

-”Mikhail Dmitri Zhenya Boris”.

Sentou-se e colocou o fones de ouvido. Não ia perder aquilo por nada do mundo. O sinal do rádio, muito instável, dava sinais de que ia perder a transmissão. Qual seria o significado daquelas palavras? Nomes? Um novo prefixo? Ordens? Repentinamente o zumbido habitual voltou, monocórdico e, de certa maneira, tranquilizante.

Metodicamente anotou em um post-it a frase, data e hora: 7 de setembro de 2010, 01:48, hora do Rio de Janeiro, 08:48, hora de Moscou. Pegou a xícara de café e foi até a janela do quarto. Nunca as luzes da cidade lhe pareceram tão acolhedoras. De qualquer forma, o mistério continuava e o mundo não ia acabar nesta noite. Relaxado, resolveu adiar o trabalho, desligou o rádio, o note e foi dormir.

oOo

A rádio UVB-76 realmente existe e transmite seu misterioso sinal até hoje. Conheça sua história aqui.

3 comentários em “A rádio russa

  1. Olá Emerson.

    O texto me fez lembrar:
    1 – do filme Fenômeno, com John Travolta;
    2 – Dois amigos: João e Samuel que usam tais tipos de ´rádio;
    3 – Duas outras lembranças, que, ao vir escrever o comentário esqueci.

    Lindo isto! Esta coisa de que, algo me desperta lembranças e sentimentos!

    Grato!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s