Uma história de terror. Ou quase…

A Voz da Serra

Terminou de ler o capítulo do livro, coçou a cabeça, bocejou com gosto e ia se preparar para dormir quando o telefone tocou. Era de sua casa, lá no Rio.

— Oi amor, já está com saudades ? A gente se falou não tem nem uma hora…

— Amor, tem uma barata enooorme no banheiro!

— No banheiro ? Caramba, mas tem certeza, você viu ?

— Não vi não, foi a Mari que achou. Disse que ela é enorme, parece um besourão.

— Vai ver é um besouro mesmo. Basta apagar a luz que ele vai embora.

— Nãaaooo, ela jura que é uma barata voadora. E o pior é que está dentro do armário. O que eu faço agora ?

— Puxa vida, sei lá. Só me ocorre chamar um táxi, descer aí pro Rio, matar a bicha e voltar para Friburgo. A essa hora nem ônibus tem mais.

— Eu sei, mas como é que vamos dormir sabendo que tem uma coisa nojenta no banheiro ?

— Olha só, sua filha é exagerada. Outro dia ela me chamou para matar uma bruxa que tinha entrado no quarto dela e era apenas uma maripozinha ordinária que eu tirei de casa com a mão. Tenta ver se a tal barata godzilla é isso tudo mesmo e mete uma chinelada nela. Amanhã a faxineira recolhe o cadáver.

— Não sei não… acho que vou aceitar sua oferta de vir aqui no Rio matar a barata!

— Pelamordedeus, você está falando sério ? Isso vai custar uma fortuna! Pede para o porteiro ver o que está acontecendo.

— Ah não, o porteiro está dormindo e o vigia noturno não pode abandonar a portaria.

— E seu pai ?

— A essa hora ele vai levar o maior susto, coitado!

— Já pensou em chamar a Defesa Civil ?

— Debocha vai, não é você que vai dormir sabendo que tem um baratão zanzando pelos corredores escuros!

— Gente, que drama. Solta a Filó em cima da barata. Afinal, os salsichas são cães caçadores e muito persistentes.

— De jeito algum. Imagina se vou deixar a cachorra morder uma barata! Que coisa horrível.

— Puxa amorzinho, está difícil. Faz o seguinte: tranca o banheiro e deixa um bilhete prá coitada da faxineira fazer o serviço de carrasco.

— O banheiro já está trancado e as saídas vedadas. A Mari queria encher tudo com veneno de aerosol mas não deixei, afinal sou alérgica e ainda podia fazer mal para a Filó. Acho que não tem jeito, vou ter que passar uma noite horrorosa. Essas coisas só acontecem quando você não está aqui, incrível.

— Amor, relaxa. Faz isso mesmo e qualquer coisa você me telefona. Tem certeza que vai ficar bem ?

— Claro que não, quem fica bem sabendo que tem um baratão em casa, ô manezão ?

— Desculpe, desculpe, falei por gentileza. Mais alguma coisa ?

— Não, vou dormir. Amanhã telefono, tá bom ? Um beijão.

— Um beijão pro cê também.

Suspirou fundo e foi tomar um leite. O mais engraçado é que nunca lhe perguntaram se tinha medo de baratas, besouros, bruxas e outros insetos do gênero. Simplesmente tinha de resolver a situação, tivesse nojo ou não.

Tudo bem, desta vez escapara! Ia dormir tranquilo.

Foto: Carlos Emerson Junior

2 comentários em “Uma história de terror. Ou quase…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s