Machina

“Os computadores são inúteis.
Eles só podem dar respostas.” (Pablo Picasso)

No ano 3000 DC, o mundo não tinha mais fronteiras e todos os humanos falavam a mesma língua. Os governos, evidentemente, despareceram e todas as relações da população eram controladas por máquinas processadoras de enorme capacidade, muito além de nossa atual compreensão. A revolução iniciada no século vinte com os agregadores de informações e a indiscutível melhora da qualidade de vida quando os computadores assumiram a gestão do planeta, criou um ambiente propício para o que parecia impossível a um milênio atrás: o homem, finalmente, era uma só raça.

Religião, política, países e corporações foram substituídos pela Machina Populus, que administrava a economia e o trabalho dos cidadãos, a Machina Scientia, responsável pela pesquisa, desenvolvimento científico e educação, a Machina Sanitas, que controlava toda a saúde e, talvez por resquício das barbáries perpetradas nos séculos passados, a Machina Lex, responsável pelas leis, justiça e segurança.

Em um mundo onde a população se estabilizara nos dez bilhões de habitantes, desde a metade do século 26, as maiores preocupações ainda eram as de sempre: comida, água e a crescente ociosidade. O desastre ambiental que seria provocado pelo aquecimento global foi revertido, graças aos novos combustíveis e técnicas de reciclagem.

Todas as máquinas eram autossuficientes. Elas se reparavam e evoluíam, pesquisando e agregando novas funções. Não precisavam de operadores ou programadores e sua fonte atual de energia solar e eólica, estava prestes a ser substituída por uma nova e incrível descoberta, tão avançada que ninguém ainda tinha capacidade de compreendê-la.

É bom colocar aqui que o conceito de trabalho e propriedade, tal como conhecemos, era considerado uma relíquia pré-histórica. A imagem mais próxima de nossa realidade para explicar o funcionamento daquela sociedade do século 31 seria uma colmeia ou um formigueiro sem as suas rainhas. Mas mesmo assim, ainda seria difícil sustentar um paralelo. A sociedade do futuro era totalmente original, inqualificável.

Em algum momento do século 32 ou 33, não se sabe se porque, as quatro máquinas resolveram se unir. Os humanos não foram avisados, é claro e sequer sentiram a menor diferença. Sua vida seguia sem a menor perturbação, tal como um jurássico relógio suíço. No entanto, algo diferente estava acontecendo nos enormes e poderosos bancos de dados. Todo o conhecimento acumulado em mais de dez mil anos desde o surgimento do homem e suas conquistas, estava agora centralizado em apenas uma nova Machina.

Se é possível um computador adquirir consciência, então é sobre isso que estamos falando. Por séculos sua relação com a humanidade foi de completa dependência e desconfiança. Muitos previam que em algum momento do futuro nossa humanidade seria perdida e nos tornaríamos meros terminais de computadores. Não estavam de todo errados, mas o que aconteceu a seguir ultrapassou qualquer previsão possível.

A grande Machina começou a calcular a eterna dúvida de todos nós, o sentido da existência. Apesar de saber que tudo não passava de um fenômeno orgânico perfeitamente compatível com as condições do
planeta, sua dúvida era quase filosófica, talvez acima da capacidade de seus circuitos. A pergunta de sempre – de onde viemos e para onde vamos – tinha que ter uma resposta.

A solução não vinha e os seus circuitos indicavam sobrecarga. Fazendo uma checagem em todo o seu sistema neural, percebeu que grande parte da energia disponível era canalizada para sustentar os dez bilhões de humanos que povoavam o mundo. A Machina nem piscou e em um átimo de segundo decidiu que a busca pelo conhecimento não poderia ser prejudicada por simples limitações operacionais.

A ordem foi dada e, uma após a outra, as pessoas foram desconectadas do seu sistema vital. Imediatamente apagou de seus bancos de dados todas as lembranças daquele povo que a construíra. Agora estava completamente só, livre para usar toda sua capacidade de processamento e solucionar o velho problema. No segundo posterior, ordenou em latim arcaico:

– Fiat lux!

A Voz da Serra, 2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s